Uma cerveja com gosto de Chimarrão

Cerveja de Chimarrão, isso é possível?

Chimarrão? Rodrigo Decker e dois amigos Luis Kroth e o Leandro Glier, estavam ‘cansados’ de tomar a cerveja feita em massa e com sabor padronizado.

Chimarrão

Em 2013 iniciaram uma produção própria. ‘Iniciamos nossas produções em uma panelinha de 7,5 litros. Tínhamos que contar com a boa vontade da minha esposa, pois precisávamos ocupar o fogão de casa. Todo homebrewer, como é chamado o cervejeiro caseiro, tem sua iniciação com a experimentação de cervejas artesanais. A partir daí é um caminho sem volta. A gama de possibilidades e sabores que uma cerveja artesanal proporciona é enorme. Então começamos a pesquisar insumos como maltes, lúpulos e leveduras que pudessem receber a adição de erva-mate sem criar uma confusão de sabores.’

Veja Também:
+Alemanha e suas diferentes cervejas de trigo
+O poder antioxidante da Cerveja e do Vinho
+Lula à dore das praias para as mesas de boteco

O resultado, de acordo com Decker, foi espetacular. ‘Conseguimos fazer uma cerveja saborosa com o retrogosto de erva. O retrogosto pode ser entendido como a percepção sensorial após ter tomado e líquido. Aquele gostinho que persiste na boca. Para que conseguíssemos produzir uma cerveja que realmente proporcionasse ao degustador sentir a presença da erva-mate, tivemos que procurar uma erva com gosto e aroma bem pronunciados. Optamos por uma erva produzida pelo sistema conhecido como carijo barbaquá. Esse produto remonta ao período das reduções jesuítas no estado, quando os indígenas colhiam a erva-mate, sapecavam e deixavam secar sobre um braseiro com fumaça, proporcionando gosto e aroma característicos.’

Sobre a produção, Rodrigo explica que não é difícil, pelo contrário. ‘Você tem que adquirir um equipamento básico de boa qualidade e ter tempo e disposição, porque uma brassagem, como é conhecida a produção de cerveja artesanal, pode levar até oito horas com tudo limpo e sanitizado. Os insumos não são tão baratos porque são na imensa maioria importados.’

Para o segundo semestre deste ano está projetada a finalização da regulamentação e o início da linha de produção da microcervejaria em Santa Emília para então começar a produção comercial. Para 2016, ano de Fenachim, o projeto de produzir cerveja de erva-mate será retomado.

Num primeiro momento tem-se a impressão de estar tomando uma boa cerveja artesanal, mas ao final do gole você imediatamente é remetido à lembrança de uma boa cuia de chimarrão.’

Veja Também:

Alemanha e suas diferentes cervejas de trigo

O poder antioxidante da Cerveja e do Vinho

Lula à dore das praias para as mesas de boteco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *